sábado, 8 de abril de 2017

Relações


        Hoje com meus quase 29 anos, me sinto muito mais incomodada e violada, com pessoas que só buscam o outro na hora da necessidade, há um tempo atrás deixaria passar fechando os olhos, mesmo assim sentindo de maneira sutil, a indiferença do outro, a falta de gentileza, a ausência do pedido de perdão, a grosseria da necessidade alheia de querer que você se torne outra pessoa, hoje como forma de grito e de rasgar minha alma, me recuso a ser usada, a ser manipulada, a deixar a emoção falar mais alto ao ponto de me diminuir e limitar minha vida para que o outro tenha mais uma oportunidade de mudar ou de seguir igual, como queira, tanta ingenuidade minha pensar que por muito do meu esforço ajudaria alguém a sai de sua zona de conforto, note bem, não quero que mude sua essência, sua personalidade, somente que seja independente, que seja prático, pro-ativo, que viva de acordo com sua realidade,que seja feliz.
        Simplifique as coisas, seja você, é um processo longo e as vezes doloroso, alguns só com terapeutas para conseguir se enfrentar, mas estou aprendendo com Nietzsche que disse, "e se aprendemos melhor a nos divertir, esquecenos-nos melhor de fazer os outros sofrerem e de inventar mais dores".

           Não somos obrigados a nada, amo essa frase de paixão, ninguém pode forçar o outro a te amar, a está contigo, por sangue ou por simpatia, a vida acontece, muito mais fácil culpar o outro pelo seu insucesso, como se a vida nos devesse algo. Espero que consigamos sai desse lugar da vítima e que cresçamos.

         Para fechar esse grito/desabafo cito o mesmo louco, Nietzsche, "o silêncio é pior: todas as verdades reprimidas tornam-se venenosas".Vamos ser sinceros, a vida é curta, não conseguimos representar por muito tempo, em tempos de atos desumanos, o mais difícil é ir contra essa corrente, e continuar amando, com um amor que aproxima, que se preocupa, que não usurpa, que não abafa, mas que liberta, ....Fica a Dica!
Suy Melo

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Motoqueiros (as)

      Conexão, essa palavra me encanta, o poder que ela transmite que pode ser chamada também de identificação, sensação de pertencimento, percebi que isso acontece entre os motoqueiros, não sei se em todas as grandes capitais ou nos interiores. Todavia, talvez você seja um “motociclista” ou “motoqueiro”, descobri que existe uma diferença de classe entre essas palavras, a primeira seria o seguimento dito mais correto, dentro do padrão de segurança, que fazem parte de moto clubes, enfim, a segunda seriam os loucos que andam zigue zagueando por esse transito caótico, muitos com pressa para fazer a entrega no prazo ou simplesmente correndo para não perder tempo, veja bem, não me entenda mal, não existe um melhor ou pior, são simplesmente definições, creio que tenha sido um pouco tendenciosa, pois me sinto conectada aos motoqueiros (as), independente da forma como você anda de moto no transito, se atrás do carro sempre ou pelos corredores imaginários nesse transito de Fortaleza ou qualquer outra cidade, espero que já tenha se sentido parte do grupo...
         Sabe aquela situação em que você se sente prejudicada de alguma forma e do nada aparece uns três buzinando ou gritando te defendendo, dando voz, pessoas que nem ao menos se conhecem, já tive alguns dias assim, hoje foi um desse, que quando acontece sempre me faz rir, acho linda essa possibilidade humana de esta ligada ao coletivo, naquele instante você não é só um, mas são vários, uma representação. Indo para a faculdade pela BR116, uma Hillux  me corta, saindo da faixa direita para a esquerda, sem da sinal de pisca e de maneira abrupta, passando muito perto e me assustando, reagindo organicamente me afastei para a esquerda, segundos de reações, coloco uma mão na coxa, respiro e balanço a cabeça, como sinal de reprovação, gesto universal, de balançar a cabeça de um lado para o outro, que com o capacete se torna bem maior, muito comum de ver entre os motoqueiros.
          Muito rápido, aparece um motoqueiro do meu lado abrindo um dos braços e balançando a cabeça também, olhando para mim, balbuciou algumas coisas, estava com uma carona que também balançou a cabeça confirmando a mensagem, que me chega como, estamos aqui e também passamos por isso, que é um absurdo, como tem gente sem noção ou algo assim. O motorista do carro coloca a mao para fora do carro e acena, eu nem cheguei a buzinar, geralmente não faço isso, sempre aparece um outro motoqueiro que buzina..kkk!Algumas vezes eu dou só um grito, mas hoje parece que meus demônios estavam adormecidos, tive uma boa noite ontem, deve ter sido isso, voltando ao assunto, ele deu o velho sinal de legal e uma buzinada amistosa, respondi com um legal tambem, já estava rindo, desde quando o colega motoqueiro tinha aparecido, tudo isso muito rápido, mas que me fez querer escrever sobre tudo isso, como é lindo quando vemos pessoas estranhas se ajudando.
       Outro caso que não esqueço se passou na BR116 tambem, fiquei sem gasolina a noite voltando para casa, estava empurrando a moto e ainda longe de qualquer sinal de posto, quando um motoqueiro diminuiu a velocidade e ficou próximo de mim, o meu lado acostumada com a violência e assaltos, já se prepara para entregar tudo que tinha e a moto se quisesse, a bixinha (moto) já sofreu tanto nas mãos dos outros, mas é resistente..rsrsrsr!!Enfim, quando o cara encosta e me pergunta se era falta de gasolina, respondo que sim, ele desce da moto, puxa uma mangueira da mochila dele e chupa a gasolina do tanque dele para o da minha motinha,nossaaa, não soube o que pensar, agradeci muito, ele foi embora e eu consegui chegar no posto e finalmente em minha casa.
          Loucura senti uma ligação por uma ação de estranhos, ajudar e ser ajudado causa sensações muito boas, por mais conexões reais, por parar um pouco mais e rir das coisas bobas do transito e da vida. Poderia falar aqui tambem das coisas bizarras que já vi dentro dos carros, acho que os motoristas pensam que se tornam invisíveis ao entrar dentro dos seus carros, mas isso pode esperar para um próximo texto, quando a necessidade de  escrever aparecer de novo.
  Suy Melo



terça-feira, 30 de agosto de 2016

Te entendo...


       Como é ruim ter medo de fica só, pior quando não temos outra opção e sabemos que vamos ficar só, te imagino aterrorizada sabendo que em um determinado tempo durante o dia e a noite você ficará só, o que doi ainda mais é saber que está só  por que alguém que deveria está cuidando de você decidiu não está por perto, todo distanciamento é uma escolha.

        Podemos sim chorar por um tempo por quem não está perto de nos, ou melhor, por quem não quis ficar perto de nos,temos que vivenciar o luto, uma vez me questionei qual era a pior partida, quem se foi sem ter escolha, acidentes vascolares levam pessoas embora o tempo todo, agora também parece que ir embora por que deu na telha também tem sido frequente...
         Queria poder te dizer que as coisas vão melhorar, que pessoas que amamos não somem de nossas vidas, que você vai ser diferente de seus pais, que o mundo vai sempre sorrir para você,  que irá encontrar grandes amigos e que ser feliz é mais simples que parece, ta certo algumas dessas coisas acontecem, devo está me tornando um pouco cética, por que estou perto demais de você e ver o que acontece contigo, acho que me faz aos poucos perder a esperança,  que agora talvez seja algo bom, quero mesmo é guerra, esperar não tem sido uma boa estratégia, esperança não nos trouxe muita coisa, além da inútil  espera de que eles iriam melhorar...
        Quero guerra, quero gritar e jogar tudo que guardei, vamos faça isso comigo,  ja corri mais que você e já ultrapassei muita gente, sei que meus dias foram mais longos que o seu, mas comecei assim como você, protegendo eles, mentindo por eles, criando essa nossa fantasia, pare!
       Jogue tudo pra fora, desrespeite as regras, não minta mais para você e nem para os outros, lute para ser melhor, saia desse luto que só te afunda, compre lapis de cor, baldes de tinta e jogue pelo apartamento, se exercite, leve o corpo a exaustão, nada melhor que se conectar com seu corpo, sentir o corpo pulsar, o suor escorrer pelo corpo, sinta a voz que surge desse corpo, fale com esse corpo com imagens fora do cotidiano, deixe o corpo falar através dessa voz que você ainda não escutou, deixe-se surpreender por você.
            Rubens escreveu uma vez: Somos donos dos nossos atos
mas não donos dos nossos sentimentos.
Somos culpados pelo que fazemos
mas não pelo que sentimos.
Podemos prometer atos,
mas não podemos prometer sentimentos.
Atos são pássaros engaiolados.
Sentimentos são pássaros em vôo.
       A liberdade assusta muitos, por isso temos tanta gente presa e que preferem assim, te chamo para correr comigo e lutar em direção a esse vôo, totalmente sem segurança...Mas você vai sentir uma adrenalina, que vai se tornar uma droga que nunca mais você vai querer largar...
           Viver é intenso, uma batalha cada dia, só quero lhe da o empurrão o resto é com você, boa sorte e lembre-se, no caminho sempre tem algo pra lhe fazer desistir, mas se não continuar, você nunca vai saber como é lá...

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Série: viagens em cima da bike

          Somos marcados por alguns encontros que temos na vida, aqueles que nos permitimos ser surpreendidos, quando paramos pra prestar atenção no que esta acontecendo em nossa volta, sempre me vem a mente que se estivesse em casa não seria perpassada por essas pessoas, por essas conversas, conhecer outras realidades e ser confrontada diariamente sobre as minhas verdades, minha teologia e a visão que eu penso que tenho do mundo.
           Me faz silenciar mais, assim me permito a escutar mais de todos, historias lindas, vidas que me encantam, que me relembra a pessoa que quero ser quando crescer, que me faz continuar seguindo e que vale a pena acreditar no ser humano, como uma essência do bem, de pessoas que estão aqui no mundo para ser o seu melhor, almas que reverberam luz.
            Viajar de bicicleta é ir em um tempo paralelo a esse ritmo frenético que não te permite parar em uma calçada pra manter uma conversa agradável com um estranho por que estaria perdendo seu tempo, ir de bicicleta é burlar um sistema que te empurra de goela a baixo que quanto mais você tem mais você é feliz, isso reproduz que terão que trabalhar mais para ter mais, isso resulta que você acabará tendo menos tempo para desfrutar do que você tem,
 e não se percebe que o que você tem, não foi comprado apenas com dinheiro e sim com o seu tempo, anos de trabalho para se ter um carro melhor, uma casa melhor, festas melhores...
             Planejar viajar por um longo período, por que você quer aproveitar seu tempo da melhor maneira possível, surge como uma ideia deslavada, só por que você quer ir em busca do desconhecido, da surpresa de um dia fora do seu comum, contemplar cada por do sol como quem contempla um milagre, ver o sol nascendo com a grandeza do dom de ter mais um dia, cheio de encontros e dificuldades que faz você se sentir vivo...
            Isso pra mim não parece ideia de quem não tem o que fazer, mas pelo contrario uma ideia de quem tem total noção do que se quer fazer, de como viver...Por mais ideias deslavadas, por mais sonhos loucos, por mais vida...




segunda-feira, 18 de abril de 2016

Série: viagens em cima da bike


          Desde o dia 24/03/16 que saímos de fortaleza, tudo tem sido uma experiência tremendamente louca e intensa , são tantas pessoas nos ajudando, contribuindo como podem, desde encher nossas garrafinhas de água, oferecendo sua casa, nos alimentando e tirando muitas vezes de onde não tem.
           São muito sinais de bondade sem ter o interesse de ter algo em troca, já que não levamos muito e as vezes o que temos para da em troca é uma boa conversa, historias sobre a nossa viagem e responder as perguntas que sempre nos fazem.
           No primeiro domingo da viagem fomos visitar uma igreja, por conta de um casal que nos ajudou no caminho e mencionaram que eram cristãos e que iriam para o culto a noite, então acabamos indo, era uma assembleia de Deus bem pequena, humilde, me lembrei muito da minha infância e da minha mãe, incrível como alguns lugares conseguem te transportar para outro tempo, outro lugar.
             Chegamos atrasadas, eu e Jessica, mas ainda deu para pegar o coral das senhoras e das crianças, impressionante como eles mantêm a mesma forma de culto e com os mesmo chavões, me percebi emocionada por algumas musicas que foram cantadas, não pela letra, mas por lembranças, acabei confrontando muito o deus do exercito, o deus que devasta o seu inimigo, um deus que fala através de um pastor para dizer que tal pessoa não ira para o céu com toda a convicção de quem ouviu do próprio deus, esse era o deus pregado nessa noite, contradições  quando eles mesmo usam outra frase feita, dizendo que no céu iremos ter muitas surpresas.
            Para além da teologia de salvação, céu e inferno, aceitação de Cristo para ir ao céu, quero falar sobre como a estrada tem sido acolhedora, de como passamos por famílias que tem me tocado e falado ao meu coração, de como é lindo ver pessoas testificando Cristo sem precisar mudar o tom da voz, sem precisar criar um personagem, elas simplesmente vivem, e ver Cristo nelas é ver o amor que elas tem pela vida, pelo cuidado com o outro, pelo senso de responsabilidade com o meio que vive e de como tentam fazer algo para mudar a sociedade, não esperam reconhecimento, não esperam fazer isso para não ir para o inferno, fazem por que sentem que é o certo, algumas sim frequentavam igrejas, outros tinham outras religiões, mas o que tinham em comum era essa alma viva, receptiva que acolhe,  quando nossas instituições religiosas que deveriam ser assim, elas simplesmente afastam pessoas, mostram uma face de Cristo que causa o descredito, onde o amor deveria reinar, se vive em clima de guerra...
            Viajar tem sido conexão , tivemos algumas pedaladas que duraram mais de 9 horas, muito tempo para pensar, contemplar, sentir, chorar e rir, misturas loucas, falar sozinha, se desligar. São tanta bombas de informações constante, debates, verdades, escolher um lado, ter razão, estamos sempre colocando ideologias acima de pessoas, o próximo acaba virando só um contra ou um a favor, espero que consigamos chegar a um nível de relacionamento em que minha espiritualidade, sexualidade e classe social não seja maior de quem eu sou e que isso não impeça que você chegue a se relacionar comigo e com os outros. 

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Aos meus amigos...


            Talvez seja o final do ano, com mais um encerramento de um ciclo que me tem deixado um pouco emotiva, por isso tenho tentado passar um tempo agradável com os mais próximos a mim, tentar rever familiares que a muito tempo não vejo, aproveitar melhor o tempo curtindo o ócio criativo, construindo mapas, escolhendo músicas para minha playlist da estrada, sonhando com o novo do próximo ano, mas isso me assusta um pouco, tantas pessoas que ficarei sem ver por um bom tempo, minhas pequenas que eu amo..
               Hoje descarto a ideia do abandono, da fuga, da irresponsabilidade, construo a ideia de que levo cada um comigo nessa escolha de viver o meu desconhecido, dizendo para vocês que não vou por ai, não vou pelo caminho mais fácil, não irei criar raiz aqui, minha casa é aonde eu pousar minha cabeça em paz, minha casa é com vocês quando sonho lembrando dos seus abraços, minha casa é a lembrança de cada beijo,  de cada brutalidade minha em resposta a vocês, de cada mordida, minha casa é essa construção de novas lembranças por onde eu passar, é esse rastro de amor e prazer que quero deixar por quem eu passar...
                 Sou uma contradição pulsante, entre ar e terra, um desejo louco de ficar e partir,
quem dera poder ser uma alma sossegada, uma identidade mais tranquila e que me entregasse com mais facilidade as suas escolhas e rotinas, mas o meu querer mais, o meu não saber aonde vou, sabendo que sei que não consigo ir por ai, pelo menos agora é o que me leva...
            Ir contra o fluxo, ir em um ritmo diferente sempre causa estranheza e olhares tortos, só espero que os seus meu caros amigos/amores, não sejam tao ferrenhos em julgar, 
adoro essa frase do T.S. Eliot,que diz que  "Numa terra de fugitivos aquele que anda na direção contrária parece está fugindo",
 temos tão pouco tempo em desfrutar da presença um do outro,que discutir sobre o certo e errado só desgasta e se perde tempo, o que eu quero é festejar a vida, quero presença viva ao invés de uma presença ausente , Rubem Alves disse algo parecido ao falar sobre despedida, que temos que parar de namorar com a morte e beber toda a taça de vinho, por que a vida é um acontecimento de repente, acontece assim, de repente o pranto vira riso,  de repente se faz o caos, eu amo os encontros que o caos provoca, o vento que tira tudo do lugar, as pessoas que nos atravessam com uma força impressionante com suas referências, filosofias, teologias..livros, tudo isso nos transforma, cito mais uma vez esse homem que tem revirado meus armários Rubem Alves, "eu estou onde estou por que todos os meus planos deram errado", e sou tão feliz por isso que não mudaria nada, foi por isso que conheci cada um de vocês, é por isso que sou essa pessoa irritante, bruta, doce somente para os que sabem apreciar..kkkk!
            Pensar sobre despedida, morte e vida, é pensar sobre o que me é mais importante,  sobre quais lembranças tenho acumulado, não sobre o que tenho conquistado, não sobre um 10 que tirei na prova, pescando ou não..kkkk! O que deixarei para quem eu amo, muito fácil dividir meus bens materiais, os que ficam espero que não se matem por isso, difícil é deixar mais de mim em vocês, o desejo de não ser esquecida que temos guardado em nossa alma, o desejo de ter sido importante para alguém, o gozo de que de alguma maneira minha vida reverberou na sua que lhe deixei marcas...
              Desejo que minhas marcas sejam mais profundas, que meus encontros sejam mais intensos e que 2016 seja um ano cheio de reviravoltas, surpresas e com muito encontros inexplicáveis, espero que você se sinta contemplado nesse texto e que o desejo do encontro se torne grande, que a vontade de compartilhar da caminhada, dança, abraço, do pão e vinho cresça em nossos corações, enquanto estamos aqui, aproveitemos tudo não ignore nada, "é preciso ter o caos dentro de si para dar à luz uma estrela dançante" Nietzsche sabia das coisas...kkkk!!
               Até nosso próximo encontro...

Suy Melo

domingo, 27 de setembro de 2015

Você vai mesmo viajar de bicicleta?

        Você pode ser atropelada... Já fui atropelada por uma bicicleta no maranhão quando era criança, já bateram em mim estando de moto em fortaleza, já cair sozinha de moto, rsrrsrs! Já ouvi historias de pessoas que foram atropeladas sentadas em suas calcadas...
        Você pode ser assaltada e levarem sua bicicleta... Já fui assaltada 7 vezes só no Ceará, sofri um sequestro relampado perto de Mossoró, dentro de um ônibus indo para um congresso  e um furto no chile, um dos emocionante foi em Bacabal onde o pivete puxou uma peixeira de dentro do short, éramos umas 4 meninas e o único menino foi o primeiro a sair correndo..rsrsr!!
         Você pode sofrer algum abuso sexual... Milhares de meninas/mulheres sofrem de algum tipo de violência desse gênero sem precisar sair de casa.
         Você é mulher... Sou sim graças a Deus! 
         Você é o sexo frágil... Posso sim me colocar nesse lugar!
       Você vai abandonar sua família e amigos... Se ficar estarei me abandonando, eles me amam e sei que não querem me ver desistir de viver algo que me faz sentir transbordando vida!
        São tanto os motivos aparentes para ficar e viver uma vida tranquila, cheia de foco, sucesso, conquistas materiais, entretanto são poucos os motivos que  me move a ir, mas são tão superiores que não me deixa duvida, desbravar a mim e conhecer tantos outros que pensam diferente, ir em direção ao meu eu ao ponto que sua opinião sobre mim não me ofenda em nada, viverei sem você ser meu inferno, caminho e me saboreio/sabedoria, para Rubem Alves, que irá ser uma das minhas leituras nessa viagem, diz que “a sabedoria é o corpo dizendo para si mesmo as suas razões de viver”, o corpo grita quando não se quer escuta-lo.

         Trocas que me alimentam e me instigam demais, ir/voar por que ficar/arrastar não é vida, é sobrevivência! E eu desejo mais do que sobrevivência, compartilhar esse sonho com amigos e ir com dois grande amigos faz dele muito maior, viajar com Jessica e Vanildo, e na espera de Getsemane, pela América latina de bike e sabe mais o que o destino nos reserva, faz de tudo isso uma alegria que contagia, receber apoio de amigos tem confirmado que esse é o caminho, ler isso de uma amiga é muito bom, "vai Suy, pedala de encontro a ti, te perde e te encontra nessas estradas desconhecidas por ti.", Lídia.
           Estamos quase lá os preparativos começaram com todo gás, 3 meses para nossa jornada iniciar! Que comecem as desculpas dos encontros para as inúmeras despedidas, em breve bazar e festas para arrecadar grana...

Indo pra Cumbuco!

Tirada em Mendonza no parque das Cavernas de las brujas!

Porto das Dunas, um dos meus treinos sozinha!

Voltando de Quixaba, meu primeiro 160 km, na primeira bike que comprei, usada!

Incentivadoras, amigas loucas que amo, Ana Paula que vai ta apoiando daqui e Jessica que vai junto!